Heraldo do Monte: o chorinho do Mustardinha

A capa do novo CD de Heraldo do Monte| Foto: Joaquim Nabuco / Divulgação

A capa do novo CD de Heraldo do Monte| Foto: Joaquim Nabuco/Divulgação

O som que na infância embalava o sono do guitarrista Heraldo do Monte era o chorinho.

(Anos 40, bairro Mustardinha, Recife, Pernambuco)

Quando ia dormir, entrava pela casa o barulho das gafieiras da vizinhança. O garoto prestava atenção na música. Era o primeiro contato com o repertório de Pixinguinha e Jacob do Bandolim, compositores que Heraldo do Monte retoma agora, aos 81 anos, no CD que lança pela Biscoito Fino dedicado ao choro.

Vem a lembrança de Mustardinha.

– Não tinha música ao vivo, mas tinha vitrola pra turma dançar – diz Heraldo do Monte ao portal Coisas da Música, por telefone, de São Paulo: – Lá em Mustardinha tinha muita gafieira. Eu ouvia muito Jacob do Bandolim, adorava… Waldir Azevedo, Pixinguinha e Benedito Lacerda… Eu fui me apaixonando por esse  tipo de música.

A ponto de formar um grupo de choro com os colegas do bairro. Heraldo tocava bandolim e cavaquinho. Certamente a convivência era menos acidentada do que com o bloco de frevo que mantivera antes, em que tocava clarinete. Vez por outra, lembra Heraldo, um dançarino batia no instrumento e acabava ferindo seu lábio. Com esse conjunto, a brincadeira era entrar pela casa dos outros tocando e fazendo festa.

Mais seguro foi assumir a guitarra, o que fez na noite de Recife, em boates de classe média alta. Eram os anos 50 e, ao lado de Walter Wanderley e Hermeto Pascoal, Heraldo do Monte tocava jazz e bossa nova. A casa que ficou na lembrança foi a boate Delfim Verde, na praia de Boa Viagem. Em relação ao repertório, os covers do quinteto de George Shearing.

– Mantínhamos a mesma formação: piano, guitarra, baixo e bateria. Só não tínhamos o vibrafone – lembra Heraldo.

Cleber Almeida, Edmilson Capelupi, Heraldo do Monte e Luís do Monte: o grupo do CD Foto: Joaquim Nabuco / Divulgação

Cleber Almeida, Edmilson Capelupi, Heraldo e Luís do Monte  Foto: Joaquim Nabuco/Divulgação

Choro na batida diferente

Quando recebeu uma cópia do CD para aprovação, Heraldo do Monte gostou de não ter visto a palavra “choro” impressa na capa. Ele explica:

– Eu não sou muito conservador em matéria de choro. O choro tem algumas regras tipo: não se deve improvisar muito para não sair da melodia, mas eu saio; tem que ser mais floreio da melodia do que propriamente improviso, mas eu não sigo isso não. Eu improviso como se estivesse tocando jazz mesmo, claro que seguindo a harmonia do tema.

O CD começa com “Lamentos”, de Pixinguinha; e “Doce de Coco”, de Jacob do Bandolim, clássicos do choro que abrem caminho para sete composições de Heraldo. Os músicos que o acompanham são Cléber Almeida (percussão), Edmilson Capelupi (violão de 7 cordas) e Luís do Monte (violão de 6). O não conservador Heraldo toca viola caipira.

No vídeo que segue podemos ver como fica o choro de Pixinguinha com um quê de jazz.

Quarteto Novo

O CD que sai pela Biscoito Fino é o 15° da carreira de Heraldo do Monte. Uma longa discografia em que sobressai o LP Quarteto Novo. O grupo fora formado com Hermeto Pascoal, Airto Moreira e Theo de Barros para acompanhar Geraldo Vandré. O entrosamento se deu, as ideias fluíram, e logo o conjunto estava em estúdio para gravar um disco instrumental, que foi lançado pela Odeon em 1967. A proposta era inovadora:

– Nós ensaiamos muito, toda tarde, para fazer esse disco. Nós desenvolvemos uma linguagem própria de improvisação. A gente queria lembrar o folclore de violeiro nordestino, pegar aquelas referências e montar uma linha de improvisação a partir daquilo. Como a gente conhecia o jazz, a gente sabia o que evitar… Evitar frases de bebop e substituí-las por coisas nordestinas. É como diz o Hermeto: a gente terminou fazendo uma música universal.

 

Créditos

Foto de capa: Joaquim Nabuco/Divulgação

Vídeo de “Lamentos” (Pixinguinha). Heraldo do Monte, viola caipira; Edmilson Capelupi, violão de 7 cordas; Luís do Monte, violão de 6; e Cléber Almeida, pandeiro. Programa Instrumental Sesc Brasil, gravado no Teatro Anchieta do Sesc Consolação, em 05/01/2015. Postado no YouTube por Sesc em São Paulo

Vídeo com o LP Quarteto Novo. Heraldo do Monte, viola e guitarra; Hermeto Pascoal, piano e flauta; Theo de Barros, violão e contrabaixo; e Airto Moreira, bateria e percussão

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *